O serviço de mensagens instantâneas Telegram pode sofrer interferência da justiça para se enquadrar em normas de combate às fake news nas eleições

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
O aplicativo oferece plataforma para troca de conversas e interação pela internet e foi o único que não aderiu às diretrizes propostas pelo tribunal superior eleitoral.
 
As principais plataformas digitais: facebook, instagram, twitter, google e whatsapp aderiram, em 2020, à parceria com o tse para criar canais de denúncias sobre práticas irregulares, circulação de notícias falsas e disparos de mensagens em massa.
 
O telegram, sem sede no brasil e sem representante legal da empresa não respondeu à proposta.
 
A empresa de mensagens foi criada na rússia e a sede atual fica em dubai, nos emirados árabes.
 
As correspondências brasileiras ao ceo pavel durov foram devolvidas quatro vezes.
OUÇA AGORA
Clique no play e curta a Nova Onda
Open chat